Fibria terá primeiro viveiro automatizado de mudas de eucalipto do mundo

Robôs e imagens 3D serão ferramentas utilizadas no mais moderno viveiro da indústria florestal

Unidade da Fibria em Três Lagoas

A Fibria vai implantar um novo viveiro em sua unidade de Três Lagoas (MS), que contará com aplicação de tecnologias holandesas de última geração para a automação de todo o processo de produção de mudas de eucalipto, iniciativa inédita no setor.

Será a primeira empresa da área de celulose a utilizar robôs para plantar mudas de eucalipto. Essa é a primeira etapa do processo que, no modo convencional, é realizada manualmente. A automação vai evitar perdas e preservar a integridade das mudas. O novo viveiro também segue conceitos de sustentabilidade, redução de resíduos e de impacto ambiental, com a substituição dos antigos tubetes de plástico das bandejas de produção de mudas por materiais mais modernos, feitos de papel biodegradável. As novas instalações irão ocupar, aproximadamente, 48 mil m² de estufas, com automação nos processos de transporte, manuseio, seleção, irrigação, nutrição e controle meteorológico. .

Já na segunda etapa, na qual é realizada a seleção das mudas para acomodá-las em espaço adequado ao seu crescimento, o novo sistema de máquinas do viveiro, com visão 3D, vai monitorar a evolução das mudas e gerar eficiência no cultivo das plantas. Dessa forma, o novo equipamento fornecerá estatísticas de material genético e do desenvolvimento de cada planta que garantirão à Fibria maior controle de qualidade das mudas que serão plantadas no campo.

“Teremos um viveiro de vanguarda, com altíssimo nível de precisão, de sistemas e de controles ambientais, que garantirão uma melhor performance para o padrão de mudas da Fibria. Melhores mudas são a base para termos melhores florestas”, afirma Aires Galhardo, diretor executivo Florestal da Fibria.

Além da otimização das atividades dentro do viveiro, o uso da nova tecnologia apresentará melhorias também para os operadores. “O novo método trará benefícios ergonômicos para os trabalhadores. Outra novidade é o controle de irrigação e clima, que será realizado por meio de painéis automatizados. É a tecnologia trazendo benefício para o processo e qualidade de vida para o empregado”, diz Tomás Balistiero, gerente geral Florestal da Fibria no Mato Grosso do Sul.

A expectativa é que a implantação do novo viveiro seja iniciada em março de 2016 e que a operação ocorra em março de 2017, com uma capacidade de produção de 43 milhões de mudas de eucalipto por ano. As mudas serão destinadas ao plantio e formação das florestas que abastecerão a unidade da Fibria em Três Lagoas e o Projeto Horizonte 2, segunda linha de produção de celulose da empresa no município, que entrará em operação no último trimestre de 2017.

Parcerias

A implantação do novo viveiro da Fibria acontece por meio do consórcio Hortikey Holandês, que desenvolve projetos de automação em grande escala para empresas do mercado internacional. O consórcio é formado pelas principais empresas do setor como Agri-tech Aris, Berg Hortimotive, Bosman Van Zaal e Sistemas de Flier, além da brasileira Methodo Ferramentaria, que fornece suporte para normas locais, regras e regulamentos das leis brasileiras; e da Açopema, que fornecerá as estufas.

As obras do Projeto Horizonte 2 começaram em 2015 e seguem dentro do cronograma. Com investimento de R$ 8,7 bilhões (equivalente a cerca de US$ 2,2 bilhões), o projeto de expansão da Fibria vai gerar ao longo das obras 40 mil empregos e, ao final do projeto, 3 mil postos de trabalho diretos e indiretos. A Unidade de Três Lagoas terá sua capacidade de produção aumentada em 1,75 milhão de toneladas de celulose/ano. Com a ampliação, a unidade da Fibria em Três Lagoas somará capacidade de 3,05 milhões de toneladas de celulose/ano, passando a ser uma das maiores fábricas de produção de celulose no mundo.

Fonte: Painel Florestal
Por: Painel Florestal – Assessoria

Recommended Posts

Leave a Comment