Soil study lends clues to ancient climate

Estudo do solo dá dicas sobre o clima antigo

Pesquisa da Univesidade de Nebraska desvenda os mistério de 123 mil anos atrás

 

Matt Joeckel, Conservation and Survey Division director, is seen mapping the Yellow Cat Formation of the Cedar Mountain Formation in Utah. | Photo courtesy Jim Kirkland, Utah Geological Survey

Jim Kirkland | Utah Geological Survey Matt Joeckel, Diretor associado da Divisão de Conservação e Pesquisa, é viso mapeado a subdivisão Yellow Cat Member da Formação Montanhosa de Cedar, em Utah.

A pesquisa liderada por Matt Joeckel da Divisão de Conservação e Pesquisa da Universidade de Nebraska-Lincol está avançando no entendimento das condições ambientais na Terra durante a era dos dinossauros.

Em um novo estudo publicado na edição de Novembro da Sedimentary Geology, Joeckel resumiu as descobertas do projeto de anos que mapeou os solos antigos do Yellow Cat Member, uma das cinco subdivisões da formação montanhosa Cedar no deserto São Rafael, em Utah.

Matt Joeckel (front) and colleague, Gary Hunt, rest at the base of a Utah cliff face.

Matt Joeckel (frente) e colega, Gary Hunt, descansando num penhasco em Utah.

A pesquisa em solos antigos mostrou que cerca de 125 milhões de anos atrás, os solos de Yellow Cats Member se desenvolveram em sedimentos de planícies de inundação. Os sedimentos foram depositados nessas planícies e submetidos a processos de formação de solo ao longo de dezenas de milhares de anos. Uma vez formados, os solos foram enterrados outra vez por camadas graduais de sedimento e o processo começou de novo.

 “Vemos evidências de pelo menos sete episódios importantes de deposição de sedimentos de planície de inundação e desenvolvimento de solo” Joeckel contou. “Os solos formados foram idênticos aos solos modernos conhecidos como Vertisolos, que são formados  em lugares onde ocorrem chuvas sazonais.

Os solos de Yellow Cat possuíam características semelhantes a argila, onde eles dilatavam quando molhados e contraiam durante períodos de seca. Rachaduras, algumas com até um metro e meio, que em seguida foram preenchidas com outros sedimentos também foram registradas.

 “Os solos antigos – ou paleosolos – sugerem que as chuvas eram estritamente sazonais e havia alguns períodos realmente secos.” Joeckel disse.

Cracks, some as deep at 1.5 meters, which later filled with other sediments, were recorded at the Yellow Cat site.

Foto cortesia | Rachaduras de até um metro e meio.

 “Nós podemos aprender muito sobre o clima antigo a partir do solo. Nós sabemos que essa área não possuía florestas, mas também sabemos que não era pasto ou pradaria. Aparenta ter sido uma planície de inundação que periodicamente se transformava em lagos superficiais. “

O estudo examinou sedimentos que se formaram durante a era Barremian do período Cretáceo, entre 129 e 125 milhões de anos atrás.

Apesar dos pesquisadores terem conhecimento há anos que os fosseis de dinossauros e ossos estão prensados entre as camadas sedimentais, Joeckel e seus parceiros Greg Ludvigson (Kansas Geologial Survey) e Jim Kirkland (Utah Geological Survey) também encontraram características do que parecem ser pistas de dinossauros nos  sedimentos.

 “Não é exagero que os dinossauros andaram nesses solos antigos” Joeckel disse.

Ossos de dinossauros e pistas podem ser encontrados nas proximidades. Os resquícios do Utahraptor, um dinossauro bípede e predador como os “raptors” retratados no filme “Jurassic Word” (2005) foram encontrados no Yellow Cat Member.

The work is part of a long-term research program involving personnel from three state geological surveys and universities in the United States and Europe. Joeckel and colleagues have already published on the stable-isotope geochemistry of the Cedar Mountain Formation and its relationship to global change in an ancient “greenhouse” world.

O trabalho é parte um programa de longa data envolvendo uma equipe de três pesquisas e universidades geológicas nos Estados Unidos e Europa. Joeckel e colegas já divulgaram sobre a geoquímica isotópica estável da Cedar Mountain Formation e sua relação com mudanças globais em um antigo mundo “estufa”.

O time de pesquisa começou os estudos do Yellow Cat Member em 2008 como parte de um grande esforço em estudar os climas antigos e outros aspectos registrados nos sedimentos da Formação Montanhosa de Cedar. Ao mapear, estudar e testar as amostras das formações, os pesquisadores visam aprender sobre o clima do passado. O trabalho também irá levar a um entendimento do mecanismo e consequências das mudanças climáticas do futuro no planeta.

Texto Original.

Recommended Posts

Leave a Comment